Página Inicial
    Diretoria Executiva
    Palavra do Presidente
    História da Aplacana
    Quadro de Funcionários
    Plano de Saúde Empresarial
    Tabela de Taxas 2014/2015
    Unidades de Fornecimento
    Agendamento de Serviços
    Mais Páginas
    Notícias
    Galerias de Fotos
    Links Úteis
    Fale Conosco
    Contatos
 
    Administrativo
    Agrícola
    Assistência Social
    Fiscalização
    Jurídico
 
    Relação de Associados
    Como Associar-se
    Por que Associar-se ?
    Artigos Técnicos
    Relatórios

Notícias:


06/03/2017 14:41:00 - Atualizado em 06/03/2017 14:44:00 -

Seca pode derrubar safra de cana nordestina em 20%

A expectativa não é das melhores para os produtores de cana de açúcar do Nordeste. A safra de 2017 na região pode cair cerca de 20% em relação ao último ano. Em alguns locais, a queda pode chegar a 70%. Isso se chover a partir dos próximos dias.

Essa perda ocorre em razão da estiagem nos últimos 6 anos, que vem agravando ainda mais a produtividade do setor. Os estados que mais vêm sentindo a falta das chuvas são Pernambuco, Alagoas – maiores produtores da região – e Sergipe.

Segundo Alexandre Andrade Lima, presidente da União Nordestina dos Produtores de Cana (Unida), essa perda na produtividade pode acabar gerando mais custos para o produtor.

“A cana, quando é cortada, automaticamente brota outra vez, mas devido à falta de umidade, isso não vem acontecendo e essas últimas safras vêm sofrendo bastante. Muitos produtores estão tendo que replantar, o que gera um gasto de R$ 7,5 mil por hectare plantado”, explicou Alexandre.


Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), os números no Nordeste são preocupantes. Desde a safra de 2007, a queda na produção saiu de 72,94 milhões de toneladas para 46,99 milhões em 2016.

Em Pernambuco, a queda pode ser de aproximadamente 30% entre 2017 e 2018. De acordo com informações do Síndicato da Indústria do Açúcar e do Álcool no Estado de Pernambuco (Sindaçucar), nos últimos dez anos, a diminuição da safra acompanhou o Nordeste e caiu de 19,822 milhões de toneladas em 2007 para 11,22 milhões em 2016. Os reflexos dessa seca se vê na perda de empregos e na diminuição da produção do etanol, por exemplo.


Desde 2011, a quantidade de chuvas continua diminuindo. Segundo a Agência Pernambucana de Águas e Climas (Apac), na Região Metropolitana do Recife e na Zona da Mata, o volume de chuva chegou a um pico de 2.001,3 mm em 2011.

Já em 2016, esses números caíram para 1.179,8 mm. A expectativa para os meses de fevereiro, março e abril desse ano é a de que a quantidade de precipitações fique abaixo da média para todo o estado. Diante do prejuízo, com a perda nos números das safras anteriores e sem previsão de chuva, líderanças do setor se reuniram para discutir soluções emergenciais afim de mudar esse cenário de crise.


Produtores de todo o Nordeste reinvidicaram durante uma reunião da Unida uma proposta de ação emergencial ao governo federal. Segundo Alexandre Andrade, o pagamento da subvenção, ou “auxílio” da cana, é uma proposta a ser defendida, mesmo diante da crise econômica que o país enfrenta.


Outra medida para melhoria na produção de cana em tempos de seca, seria o projeto “Águas do Norte”, idealizado pelo consultor do setor, Gregório Maranhão. O programa, que já deveria ter sido implementado em Pernambuco desde o primeiro Governo Jarbas Vasconcelos (1999-2002), viabilizaria a construção de microbacias de acumulação, que guardaria a água do inverno para ser reutilizada no verão.


Fonte: Diário de Pernambuco

 







APLACANA.COM.BR - ASSOCIAÇÃO DOS PLANTADORES DE CANA DA REGIÃO DE MONTE APRAZÍVEL
Avenida Santos Dumont, nº. 555, Jd Bom Jesus – Monte Aprazível-SP - Telefone: (17) 3275-9670 - FAX: (17) 3275-1230
PortalSQL v1.0 Locado por: © 2000 produtoraferreira.com.br - Todos os direitos reservados.